Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Alertas > Decretação de Estado de Exceção e protestos populares
Início do conteúdo da página

Decretação de Estado de Exceção e protestos populares

A Embaixada do Brasil em Quito informa que, em 3/10, o governo equatoriano decretou Estado de Exceção com o objetivo de manter a ordem pública e desbloquear as vias fechadas pelas manifestações contra as medidas econômicas, em especial o aumento do preço dos combustíveis.

Foi convocada uma greve geral e manifestações do movimento indígena e de sindicatos em Quito, no dia 9/10. Desde 7/10, manifestantes estão chegando de várias províncias do interior a Quito. Diversas vias da cidade estão fechadas. Existem relatos de atos de vandalismo e violência. O serviço de transporte público na capital, assim como em outras cidades, é inexistente ou irregular.

A situação em diversas cidades das províncias andinas é semelhante, com relatos de protestos e atos de vandalismo. Em Cuenca, existem sinais de desabastecimento. Em Guayaquil, voltaram a ocorrer protestos em 7/10. Nas províncias litorâneas e da Amazônia também podem ocorrer manifestações. Bloqueios de estradas continuam acontecendo.

A comunidade brasileira e turistas devem se manter alerta e seguir essas recomendações:

 

- Evitar, sempre que possível, deslocar-se no interior de Quito, Cuenca e outras cidades andinas enquanto ocorrerem as manifestações.

Em Guayaquil e outras cidades litorâneas, assim como na Amazônia, devem ser tomadas as devidas precauções.

 

- Evitar locais de aglomeração pública onde possam ocorrer protestos.

Essa recomendação deve ser fortemente levada em consideração especial nos protestos marcados para 9/10 em Quito.

Essa recomendação deve ser levada em consideração principalmente no centro histórico de Quito, extremos Sul e Norte da capital, centro histórico de Cuenca e centro comercial de Guayaquil. Protestos pacíficos podem tornar-se violentos e a Polícia Nacional tem agido para contê-los, especialmente nas proximidades dos prédios de governo, como o palácio presidencial (Palácio Carondelet, no centro histórico de Quito).

 

- Turistas brasileiros devem avaliar a possibilidade de adiamento da viagem ao Equador enquanto durarem as manifestações.

 

- Evitar, sempre que possível, circular pelas estradas entre as cidades equatorianos, especialmente nas províncias andinas, enquanto ocorrerem as manifestações.

 

- Ficar atento aos bloqueios de vias públicas e estradas.

 

Embora o governo esteja atuando para desbloquear as vias e estradas, ainda existem diversas obstruções, inclusive em Quito e novos bloqueios ainda estão ocorrendo, principalmente nas províncias andinas, mas também no litoral. Em geral, os bloqueios de vias e estradas são pacíficos, mas é importante permanecer alerta, pois existem relatos esporádicos de violência. Para a atualização da situação sobre o bloqueio das vias públicas, acessar o portal eletrônico /www.ecu911.gob.ec/consulta-de-vias/

 

- Levar em conta que os serviços de transportes públicos urbanos, intermunicipais e interprovinciais deverão ser interrompidos durante os protestos.

Táxis e aplicativos de transporte funcionam irregularmente. Bloqueios de estrada podem prejudicar os serviços.

 

- Verificar a situação dos aeroportos antes de viajar.

A estrada para o aeroporto de Quito (distante cerca de 40km do centro da capital)  sofreu bloqueios. Cancelamentos de voos podem ocorrer.

 

- Precaver-se para eventuais desabastecimentos ou interrupção de serviços.

Comércio, bancos, postos de combustíveis, repartições públicas e hospitais funcionaram normalmente até 7/10. Fechamentos podem ocorrer durante os protestos por medida de segurança.

O governo está atuando para desbloquear as estradas e assegurar o transporte de bens e combustíveis, mas podem ocorrer desabastecimentos pontuais.

Na região de Cuenca e seu entorno (províncias andinas do sul do país) os bloqueios de estrada são mais severos e existem sinais de desabastecimento.

 

Informações úteis:

 

- Telefone de emergência do Equador (Polícia/Bombeiros/Paramédicos): 911

- Situação das estradas: www.ecu911.gob.ec/consulta-de-vias

- Aeroportos

Quito (Twitter): @AeropuertoUIO

Guayaquil (Twitter): @GYE_AAG

 

- Setor Consular da Embaixada do Brasil em Quito:

Telefone: 022-77-000

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Plantão consular da Embaixada do Brasil em Quito (somente para casos de extrema urgência, como prisão, hospitalização grave e óbito): 099-520-1449

Portal da Embaixada: quito.itamaraty.gov.br

Facebook da Embaixada: www.facebook.com/Embajada-del-Brasil-en-Quito-268977139890344/

 

Twitter da Embaixada: @BrasilEmbajada

 

- Plantão consular do Ministério das Relações Exteriores (somente para casos de extrema urgência e quando não for possível contatar a Embaixada): (55-61) 98197-2284 / E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Imprensa Equatoriana (jornais em espanhol que publicam informações atualizadas sobre a paralisação e protestos):

 

- El Telegrafo:
Web: www.eltelegrafo.com.ec
Twitter: @el_telegrafo

 

- El Comercio:
Web: www.elcomercio.com
Twitter: @elcomerciocom

 

- El Universo:
Web: www.eluniverso.com
Twitter: @eluniversocom

 

- Expreso
Web: www.expreso.ec
Twitter: @Expresoec

 

O texto foi retirado do site da Embaixada do Brasil em Quito: http://quito.itamaraty.gov.br/pt-br/News.xml

Fim do conteúdo da página