Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Djibouti

Alertas para este país

Sem alertas para este país.

Informações básicas

Capital Djibouti
Língua Árabe e Francês
Moeda Franco do Djibouti
Validade do passaporte Deve ter validade superior a 6 meses
Página do passaporte em branco Duas páginas são necessárias para carimbo na entrada.
Visto de turista necessário Favor consultar a tabela disponível na seção Vistos.
Vacinações É exigido comprovante de vacina contra febre amarela
Restrições de moeda para entrar Não há
Restrições de moeda para sair Não há

Recomendações de viagem

A recomendação de viagem do Ministério das Relações Exteriores considera o contexto de infraestrutura, segurança e saúde, bem como a situação geral do país escolhido como destino, avaliando os riscos potenciais de uma viagem a cidadãos brasileiros.

 

 

Viajar com precauções normais de segurança

 

Viajar com grau moderado de cautela

 

Viajar com alto grau de cautela

X

Evitar viagens não-essenciais  

 

Não viajar

 

Viagens não-essenciais ao Djibuti devem ser evitadas por cidadãos brasileiros. Se possível, a viagem deverá ser reconsiderada, optando-se por destino alternativo que ofereça menor risco a nacionais do Brasil. Para maiores informações, recomenda-se a cuidadosa leitura dos tópicos desta página.

Não há Representação diplomática do Brasil no Djibuti e cidadãos brasileiros devem ter sempre as informações de contato da Embaixada do Brasil em Adis Abeba, que,  necessário, poderá prestar assistência consular a nacionais no Djibuti. 

A depender da natureza de sua solicitação, a melhor opção poderá ser entrar em contato com sua família, amigos, companhia aérea, agente de viagem, operador de turismo, empregador ou seguro de viagem em primeiro lugar.  Os Postos com serviço consular estão à disposição para auxiliar em casos de maior complexidade. Acesse o Portal Consular para saber o que uma Repartição consular pode ou não pode fazer por você.

Para assuntos graves e de natureza jurídica, recomenda-se entrar em contato, inicialmente, com as autoridades de polícia e/ou de saúde locais, a partir dos dados de contato informados nos tópicos "Segurança" e "Saúde" do Portal Consular. Caso necessário, a Rede Consular do Brasil poderá ser contatada.

Para solicitações fora do horário de expediente e casos de comprovada emergência, o plantão consular da Embaixada ou Consulado do Brasil poderá ser acionado. Contate a página Emergências do Portal Consular para maiores informações.

Rede Consular do Brasil

Recomenda-se que cidadãos brasileiros portem relação com os números de telefone da Embaixada e/ou do Consulado instalado na região em que pretende transitar ou permanecer. A assistência consular é um direito reconhecido por tratados internacionais, e o cidadão estrangeiro deve sempre exigir das autoridades locais a oportunidade de comunicar-se com Representação Diplomática de seu país. O Itamaraty recorda que a assistência consular prestada ao cidadão brasileiro é isenta de custos, embora não exista previsão legal para o custeio de despesas com, por exemplo, advogados e tratamento médico/hospitalar.

 

Embaixada do Brasil em Adis Abeba

Endereço: KEBELE 02 BOLE SUB-CITY, HOUSE NR. 2830 P.O. BOX 2458 CODE 1250 ADDIS ABABA

Telefone: +251 911 487 597

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Site da Repartição:  http://adisabeba.itamaraty.gov.br

 

Para saber o que uma Embaixada ou Consulado brasileiro pode e não pode fazer por você, clique aqui.

Em caso de morte de cidadão brasileiro no exterior, acidentes, inadmissões e demais emergências consulares, clique aqui.

Em caso de dúvidas, clique aqui.

Consulados Honorários do Brasil

 Não há Consulado Honorário no país.

Comunidade brasileira e principais destinos

 Comunidade brasileira

Não há registro de comunidade brasileira residente no Djibuti.   

Principais cidades    

A principal cidade do país, é a capital, a cidade do Djibuti, que tem uma estimativa de 496.000 habitantes.

Entrada

O conteúdo a seguir está sujeito a mudanças e pode não ter as informações completas que assegurem a entrada no país escolhido. Para mais informações, recomenda-se a leitura completa das páginas do Portal Consular, incluindo os alertas migratórios e a seção Vistos. Recomenda-se, ainda, que, antes de viajar, cidadãos brasileiros contatem uma Embaixada ou Consulado do país escolhido como destino para certificar-se dos requisitos de visto e entrada e permanência.

Inadmissões de cidadãos brasileiros

A prerrogativa de cada país de determinar quem pode ou não entrar em seu território é decisão soberana de cada Estado. O Governo do Brasil não poderá intervir a favor de cidadãos brasileiros não admitidos por não terem cumprido os requerimentos de entrada.

O Ministério das Relações Exteriores tem mantido contatos sistemáticos com autoridades estrangeiras, no sentido de sensibilizá-las sobre a necessidade de adoção de critérios claros na política de controle migratório, de maneira a serem evitados comportamentos que possam ser interpretados como discriminatórios ou que atentem contra a dignidade e moralidade dos indivíduos.

Recomenda-se a leitura da seção Inadmissões/deportações de cidadãos brasileiros para mais informações.

Febre amarela          

A febre amarela é considerada endêmica no Brasil. Por isso, alguns países podem exigir de cidadãos brasileiros comprovante de vacinação contra a doença. Mais informações sobre o assunto e outras vacinas eventualmente necessárias podem ser encontradas no tópico Saúde do viajante.

Visto  

Favor consultar a tabela disponível na seção Vistos.

Visto na chegada     

Vistos podem ser concedidos no aeroporto da Cidade de Djibuti. Recomenda-se, no entanto, que cidadãos brasileiros obtenham sempre visto antes da chegada ao país. Autoridades migratórias no aeroporto podem negar visto a quaisquer cidadãos que julguem não cumprir os requisitos para permanência no país.

Requisitos de entrada         

Para concessão do visto, o passaporte do requerente deve ter validade de, pelo menos, seis meses, a partir da data prevista de entrada no Djibuti. Para a emissão de visto de entrada única, serão cobrados 85 dólares americanos; e, para a emissão de visto de duas entradas, 115 dólares americanos.

Vacinação     

Comprovante de vacina contra febre amarela é essencial para cidadãos brasileiros que desejam ingressar no Djibuti. Recomenda-se que cidadãos brasileiros consultem médico antes de viajar ao Djibuti, para obter orientação sobre as vacinas e precauções a serem tomadas. Autoridades de alguns países, inclusive aqueles de trânsito, costumam exigir que vacinação contra febre amarela tenha sido aplicada há pelo menos 14 dias antes da viagem. Caso a chegada ao país se dê por meio de conexão, deve-se atentar à norma local. Mais informações podem ser acessadas na página Saúde do viajante.

Entrada de menores            

Em esforços para prevenir sequestro internacional de menores, alguns Governos estrangeiros começaram a verificar o status de menores em pontos de entrada do país. Essas verificações frequentemente incluem exigência de documentos que comprovem a relação do menor com a pessoa que o estiver acompanhando e autorização de viagem,  por escrito,  do genitor ausente. Caso um dos genitores tenha falecido, é necessário portar cópia do certificado de óbito. Para mais informações, pode-se acessar a página Viagem de menores brasileiros ao exterior.

Saída de menores     

Crianças cujo pai tenha nacionalidade local podem ter dificuldade para sair do país sem a autorização paterna. Mesmo que a criança tenha passaporte brasileiro e/ou tenha mãe e pai brasileiros, a lei local estipula que o pai deverá autorizar previamente a viagem para que a criança possa sair do país. A norma é válida para todos os casos, incluindo situações em que a mãe tenha guarda exclusiva da criança.

Permanência

Imigração irregular

Assistência consular é prestada a todos os cidadãos brasileiros no exterior, independentemente de sua situação migratória. No entanto, o Governo brasileiro recomenda fortemente que nacionais do Brasil no exterior busquem sempre estar em situação migratória regular. A legislação de determinados países pode punir a imigração irregular de maneiras severas, prevendo multas de valor expressivo e, em alguns casos, detenção. Recomenda-se, nesse sentido, a leitura detalhada das informações publicadas na seção Imigrar para outros países.

Estudantes brasileiros no exterior

Cidadãos que pretendem viajar ao exterior para estudar devem atentar-se à necessidade de planejar cuidadosamente sua estadia, especialmente se for a primeira vez que realizam viagem internacional. Devem solicitar visto à Embaixada do país com a devida antecedência; pesquisar e conhecer a realidade do país e da cidade onde pretendem estudar, em particular sobre seu sistema de ensino; conhecer os costumes locais; ter domínio do  idioma do ensino e verificar antes com as autoridades competentes do Ministério da Educação do Brasil e das universidades federais sobre os procedimentos para efetuar a revalidação de seus estudos e diplomas no Brasil. Antes de viajar, recomenda-se anotar os números de contato da Embaixada ou Consulado do Brasil mais próximo, em caso de necessidade, e efetuar sua matrícula consular na Representação brasileira, para que possa entrar em contato em caso de emergências.  Se tiver de usar medicamentos para condição de saúde ou enfermidade, deve-se verificar se a receita médica será válida no país de estudo ou quais seriam as exigências para receber receita médica no local. Mais informações estão disponíveis na seção Estudar em outros países.

Trabalhar no exterior

Modelos, jogadores/técnicos de futebol e outros profissionais brasileiros que pretendem trabalhar no exterior devem ler cuidadosamente a cartilha Orientações para o Trabalho no Exterior, elaborada para ajudar cidadãos brasileiros que pretendem trabalhar no exterior. Recomenda-se vivamente que a leitura seja feita antes da assinatura de qualquer contrato de trabalho com clube, empresa ou representação estrangeira.

Registro de estrangeiros     

Não há necessidade de registro na Polícia para cidadãos que desejam permanecer no país.

Trabalho voluntário            

Não é permitido trabalho voluntário, mesmo não remunerado, sem visto ou com visto de turista. Cidadãos brasileiros que desejam realizar trabalho voluntário no país devem contatar as autoridades locais com antecedência para informar-se sobre a necessidade de obtenção de visto adequado. 

Segurança

Crimes, com diferentes graus de violência, ocorrem em qualquer lugar do mundo. Durante viagens ao exterior, cidadãos brasileiros devem permanecer atentos e ter sempre cautela, independentemente do destino escolhido. A maior parte dos crimes não violentos, como furtos e roubos, pode ser evitada tomando-se precauções normais de segurança, com atenção redobrada a pertences pessoais e a movimentações estranhas em lugares públicos, por exemplo. Em caso de ocorrência de crimes com vítimas, cidadãos brasileiros devem contatar imediatamente as autoridades policiais locais e a  Embaixada ou Repartição consular do Brasil mais próxima. Para mais informações, pode-se acessar a informação Segurança do viajante.

Perda de documentos brasileiros   

No exterior, cidadãos brasileiros devem ter sempre o máximo de cuidado com seu passaporte brasileiro e seguir todas as orientações escritas nas páginas do documento de viagem. Durante a viagem, recomenda-se manter cópia autenticada de documento de identidade e de certidão de nascimento, além de cópia simples do passaporte em local seguro. A posse dessas cópias facilitará a emissão de novo passaporte, em caso de perda ou furto dos documentos originais. Cidadãos que estejam em retorno ao Brasil podem solicitar Autorização de Retorno ao Brasil (ARB), cuja emissão é mais rápida e mais barata que um novo passaporte, sob determinadas condições. Em caso de dúvidas, recomenda-se a leitura das informações da seção Perda de documentos brasileiros no exterior e, para saber sobre emissão de documentos brasileiros no exterior, pode-se consultar a página Emissão de documentos no exterior.

Vítimas de crimes

Providências que o cidadão brasileiro deve tomar caso seja vítima de algum crime:

a) consultar um médico, se necessário;

b) dirigir-se imediatamente à autoridade policial mais próxima e registrar boletim de ocorrência, com as seguintes informações: data, local e hora do incidente, perdas materiais e lesões corporais da agressão ou crime (fornecendo todos os elementos úteis ao inquérito); descrição física do autor, tipo e cores de vestimenta, sinais particulares, modelo, cor e número de placa do automóvel, se for o caso;

c) informar Representação diplomática ou Repartição consular do Brasil sobre sua situação.

ALERTA DE VIAGEM

Tendo em conta a realidade do país, recomenda-se que cidadãos brasileiros evitem viagens não essenciais ao Djibuti. Cidadãos brasileiros no país deverão permanecer em território djibutiano pelo mínimo de tempo necessário.

Cidadãos brasileiros no Djibuti devem manter contato permanente com a Embaixada do Brasil em Adis Abeba, ter seus documentos de viagem sempre atualizados e deixar o país o mais rápido possível.

Não há representação diplomática brasileira no país, e os serviços consulares são prestados à distância, pela Embaixada do Brasil em Adis Abeba. Cidadãos brasileiros em viagens ao país devem ter tal situação em mente, já que isso pode significar limites à assistência consular prestada pelo Governo brasileiro.

Terrorismo   

Há risco de ataque terrorista no país, em especial em locais com grande concentração de pessoas e naqueles frequentados por expatriados e turistas estrangeiros. Em 24 de maio de 2014, atentado a bomba foi perpetrado por dois terroristas no restaurante La Chaumiere, vitimando uma pessoa e ferindo outras três. Atentados terroristas podem incluir operações suicidas, bombardeios, sequestros, ataques a aviação civil e aos transportes marítimos. Autoridades de segurança do Djibuti têm feito esforços para encontrar os responsáveis por atividades terroristas no país, mas muitos grupos permanecem ativos e operantes. Cidadãos brasileiros devem permanecer com extrema vigilância quando estiverem em ambientes com aglomeração de pessoas, incluindo meios de transporte, shoppings, hotéis, clubes, restaurantes e estações de ônibus. Para mais informações sobre atentados terroristas, recomenda-se seguir cuidadosamente as instruções contidas no guia Atentados terroristas no exterior.

Criminalidade          

Ainda que não haja números confiáveis, estima-se que o desemprego no país seja de cerca de 60%. Por conta disso, níveis de atividades criminais, já considerados altos, podem aumentar. Cidadãos brasileiros devem permanecer atentos a possíveis assaltos a mão armada, sequestros, extorsões, e quaisquer outros tipos de violência. No passado, grupos armados organizaram barricadas para roubo de veículos. O banditismo nas estradas não é incomum. O risco de crimes residenciais, com invasão de domicílios, roubo e posterior sequestro, também é alto.  

Furtos e roubos        

Há relatos de pequenos furtos envolvendo turistas no país. Os cidadãos brasileiros devem manter-se vigilantes durante sua estadia no país, sobretudo em locais públicos.  

Áreas restritas          

Os turistas devem evitar, por questões de segurança, visitas às áreas próximas às fronteiras, sobretudo com a Eritreia e a Somália. Tais fronteiras são porosas e impõem riscos consideravelmente altos a cidadãos estrangeiros, devido à existência de conflitos, disputas territoriais e operações terroristas naquelas localidades. Áreas próximas à praça Menelik não devem ser frequentadas por cidadãos brasileiros, devido ao alto risco de atentados terroristas naquelas localidades.

Minas terrestres       

Minas terrestres estão presentes nos distritos de Tadjourah e Obock, no norte do país e no distrito de Ali Sabieh, no sul. Estima-se que todas as minas terrestres do país tenham sido identificadas, mas não desativadas. Acidentes ocorreram em 2012 envolvendo explosões de minas terrestres na região do Lago Assal, uma área turística do Djibuti. 

Pirataria

A costa da Somália é o local com maior incidência de pirataria marítima no mundo. O Ministério das Relações Exteriores alerta sobre a ameaça de pirataria nas águas territoriais do Djibuti e aconselha cautela a cidadãos brasileiros que estejam navegando nas águas territoriais do país. Nesses casos, deve-se permanecer alerta a possível aproximação de qualquer tipo de embarcação desconhecida. Sobre o assunto, pode-se contatar a Organização Marítima Internacional, por meio do endereço http://www.imo.org/OurWork/Security/PiracyArmedRobbery/Pages/Default.aspx. Em alguns casos, cidadãos trabalhando em terra podem ser sequestrados por piratas que operam na Somália. As fronteiras porosas do Djibuti com a Somália oferecem risco para estrangeiros naquele país.

Manifestações populares    

Desde as eleições presidenciais realizadas em fevereiro de 2013, o nível de manifestações no Djibuti diminuiu consideravelmente. No entanto, alguns protestos podem ocorrer no país, sobretudo em datas simbólicas, como o dia do trabalho ou demais comemorações civis. Ainda que os protestos sejam pacíficos, recomenda-se que cidadãos brasileiros evitem áreas com registro de manifestações, já que esse tipo de atividade pode escalar para conflitos em caso de confrontação com autoridades policiais locais.

Bagagens violadas   

Violação de bagagem pode ser um problema comum em alguns aeroportos, já tendo sido registrados incidentes envolvendo bagagens de cidadãos brasileiros em aeroportos de países africanos. Viajantes são encorajados a aumentar a segurança de sua bagagem, envolvendo malas, bolsas e valises em filme plástico de PVC e a não despachar bens de valor, como eletrônicos, joias, câmeras e cosméticos. Cidadãos devem manter lista completa dos itens da bagagem e efetuar reclamação à companhia aérea assim que perceberem qualquer violação do conteúdo de suas malas. Mais informações podem ser encontradas no guia Violação de bagagens.

Assédio sexual e crimes contra a mulher  

Denúncias de assédio sexual são raras, mas podem ocorrer em qualquer país, independentemente do destino escolhido. Mulheres devem evitar andar sozinhas pelo país, especialmente durante a noite e/ou em áreas isoladas.

Mais informações estão disponíveis no aviso Mulheres em viagens ao exterior.

Tráfico de pessoas   

A polícia brasileira, em cooperação com autoridades policiais de outros países e da INTERPOL, segue investigando casos de tráfico de mulheres envolvendo nacionais do Brasil. O Governo brasileiro preparou uma cartilha sobre o tema, para a difusão de informação sobre esse tipo de crime, com o intuito de prevenir potenciais vítimas. Mais informações podem ser encontradas no Guia de Atuação no Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas.

Caso seja vítima ou tenha alguma informação sobre eventual caso de tráfico internacional de pessoas envolvendo cidadão ou cidadã brasileira, recomenda-se fortemente que procure a Representação consular, para relatar o caso e receber orientações. Os dados serão tratados com a devida confidencialidade. Mais informações estão disponíveis em http://www.justica.gov.br/sua-protecao/trafico-de-pessoas

Contatos importantes          

O número de contato para emergências policiais e médicas é 18.   

Saúde

A situação geral de saúde em outros países pode ser bem diferente daquela do Brasil. Cidadãos estrangeiros não têm acesso a assistência médica gratuita em grande número de países. Recomenda-se vivamente que viajantes brasileiros sempre contratem seguro internacional de saúde adequado, mesmo que tal documento não seja exigido pelas autoridades migratórias locais. O Ministério das Relações Exteriores não poderá se responsabilizar por despesas médicas de brasileiros no exterior.

Antes de viajar, nacionais brasileiros devem certificar-se de sua saúde física, tomando as vacinas indicadas para o destino escolhido. Vacinas contra difteria, tétano, hepatite B, sarampo, caxumba, rubéola e tuberculose são recomendadas para todo tipo de viagem. Em caso de dúvidas, o Ministério da Saúde poderá ser consultado.

Para obter informações sobre surtos de doenças infecciosas no exterior, é importante consultar o sítio da Organização Mundial da Saúde (OMS), que contém dados detalhados sobre a situação específica de saúde de cada país.

Ao retornar de países com ocorrência de endemias, quaisquer sintomas devem ser imediatamente comunicados às autoridades de saúde brasileiras.

Falecimento de cidadão brasileiro

Na infeliz ocorrência de falecimento de cidadão brasileiro no exterior, Repartições consulares do Brasil permanecerão à disposição para prestar a assistência cabível aos familiares. Recomenda-se que a família do cidadão brasileiro falecido contate a Embaixada ou o Consulado da jurisdição para orientações, por meio dos telefones regulares ou, se for o caso, do celular de plantão. Cabe aos familiares do falecido custear as despesas de traslado dos restos mortais ao Brasil, se for o caso. Mais informações estão disponíveis na seção Emergências.

Rede de saúde          

Os recursos disponíveis no sistema de saúde local são muito limitados e, em situações mais graves ou complexas, recomenda-se evacuação médica. Fora da capital, serviços de assistência médica podem ser inexistentes e os hospitais disponíveis não estarão aptos a tratar de problemas de saúde mais sérios. Hospitais privados demandarão pagamento adiantado de serviços, antes de que seja prestado qualquer tipo de atendimento.

Seguro saúde            

É importante dispor de seguro de saúde e recursos (no caso, em espécie) para cobrir os custos de eventuais tratamentos médicos. Em caso de traumas, acidentes ou quaisquer outras graves situações de saúde, serviço de evacuação médica pode ser necessário. Nesse caso, recomenda-se a cidadãos brasileiros que contratem seguro de saúde internacional que cubra esse tipo de atividade. Recorda-se aos turistas que serviços de evacuação médica podem custar valores expressivos.

Endemias em geral  

São doenças endêmicas no país: febre amarela, malária, dengue, cólera, hepatite A/B, raiva, tuberculose e febre tifoide.

Poliomielite   

Em 2013, casos de poliomielite foram identificados em alguns dos países vizinhos ao Djibuti, como Somália e Etiópia, e, devido às fronteiras porosas entre esses países, profissionais de saúde suspeitam que a doença possa estar, também, presente no Djibuti.  Por isso, todos os visitantes devem vacinar-se contra poliomielite com antecedência mínima de 12 meses antes da viagem. Na entrada ao país, o comprovante de vacinação poderá ser exigido. Mais informações podem ser obtidas em http://www.who.int/mediacentre/news/statements/2014/polio-20140505/en/           

Malária

O risco de saúde apresentado pela malária ou impaludismo pode ser alto em regiões florestais do país. As medidas de proteção básicas incluem a preferência por locais climatizados, protegidos com telas apropriadas, isolamento de compartimentos para evitar a circulação de mosquitos no interior das instalações; usa de repelentes específicos para a pele e o vestuário, nos horários de maior risco entre o pôr do sol e o amanhecer. Note-se que o mosquito pode também apresentar risco em período diurno, sempre que tenha entrado durante a noite. A disciplina de proteção é de mais difícil manutenção no caso de crianças.

A decisão de tratamento preventivo com medicamentos disponíveis pode ser tomada com a assistência de médicos locais, em função do quadro clínico e preferências e indicações de cada individuo. O recurso ao médico no Brasil e no país de origem é indispensável para uma decisão ajuizada.

Gripe aviária            

Em 2006, três aves com gripe aviária foram identificadas no Djibuti. Desde então, novos casos da doença não apareceram. De toda forma, recomenda-se evitar, durante a estadia no país, todo e qualquer contato com pássaros e aves (inclusive animais vivos em mercados e feiras livres) ou quaisquer superfícies contaminadas por fezes de aves. Desaconselha-se, ainda, visitas a granjas.

Medicamentos                       

Grande parte dos medicamentos disponíveis no Brasil podem não ser encontrados no país. Recomenda-se que cidadãos brasileiros levem quantia suficiente de medicamentos para viagens ao país, portando, sempre, a receita médica em inglês desses remédios.   

Vacinação     

Comprovante de vacina contra febre amarela é essencial para cidadãos brasileiros que desejam ingressar no Djibuti. Recomenda-se que cidadãos brasileiros consultem médico antes de viajar ao Djibuti, para obter orientação sobre as vacinas e precauções a serem tomadas.

AIDS

A AIDS permanece como um dos maiores problemas da saúde pública do país. Segundo relatório do Programa Conjunto das Nações Unidas para o HIV e a AIDS (UNAIDS) , cerca de 1,4% da população do país pode estar contaminada com o vírus HIV. Recorda-se a cidadãos brasileiros a importância da adoção de medidas de prevenção a doenças sexualmente transmissíveis. Para mais informações, o Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde (http://www.aids.gov.br/) poderá ser  consultado.

Raiva             

Casos de raiva foram reportados no país, sobretudo nas áreas rurais ou remotas, onde há mais exposições a animais como morcegos e outros mamíferos. Mesmo nas áreas urbanas, todavia, cães podem transmitir a doença e quaisquer mordidas ou arranhões devem ser imediatamente lavados com sabão e água e atendimento médico deverá ser procurado com a máxima urgência. Recomenda-se que cidadãos brasileiros vacinem-se contra raiva antes de sua viagem.

Intoxicação alimentar                     

Durante a estadia no país, deve-se lavar as mãos constantemente e deixar os alimentos frescos por algum tempo em água corrente. Recomenda-se lavar frutas e verduras com água engarrafada e gotas de água sanitária, e evitar o consumo de alimentos servidos em mercados públicos e na rua. A probabilidade de intoxicação alimentar no país, devido à ausência de cuidados básicos de higiene no manuseio de frutas e demais tipos de alimentos, é alta. Cidadãos brasileiros devem levar ao país antiácidos e remédios para diarreia e dores estomacais.

Parasitas       

O visitante no país estará vulnerável a bactérias e protozoários causadores de diarreia e cólera. Devido aos abundantes casos de cólera e diarreia enfrentados pelas autoridades de saúde locais, recomenda-se ao turista brasileiro muito cuidado com o consumo de alimentos, água e contatos direto com as pessoas.

Contatos importantes          

O número de contato para emergências policiais e médicas é 18.  

Transportes

Infraestrutura de transportes

A infraestrutura de transportes rodoviário, aéreo, ferroviário e marítimo, bem como de transportes públicos, de táxis e de aluguel de veículos pode ser bem diferente no destino escolhido, quando comparada à infraestrutura do Brasil, especialmente em regiões inóspitas. Antes de viajar, recomenda-se leitura detalhada das informações sobre meios de transporte no país escolhido, procurando, se necessário, dados adicionais. Em caso de dúvidas, a Embaixada ou Representação consular do Brasil poderá ser contatada. Outras informações podem ser obtidas, ainda, na página Carteira de Habilitação do Portal Consular.

Transporte aéreo     

Não há voos diretos entre o Brasil e o Djibuti. O Aeroporto Internacional de do Djibuti, na cidade de Ambouli, é localizado a aproximadamente 6 quilômetros do centro urbano. As principais companhias aéreas que atual no país são: Air France, Daallo Airlines, Ethiopian Airlines, Felix Airways, Jubba Airways, Kenya Airways, Qatar Airways, Turkish Airlines e Yemenia.

Transporte público  

O único meio de transporte intermunicipal é via ônibus. Os ônibus do país têm manutenção precária e o risco de acidentes é alto.

Taxis  

Em seus deslocamentos, o turista deve optar por meios de transporte seguros: usar os serviços de táxis com agendamento por telefone ou os táxis recomendados pelos principais hotéis, evitando tomar taxis avulsos. Caso cidadãos brasileiros não consigam contato com nenhuma empresa de taxi (algo comum, devido à precária rede de cobertura de telefonia do país), todo tipo de taxi deverá ser evitado.

Transporte rodoviário        

Dada a precariedade de grande parte da infraestrutura viária do país, viagens terrestres devem ser evitadas, sobretudo durante a noite, já que as estradas são mal iluminadas. Em caso de acidentes em rodovias fora da capital, tratamento médico de emergência dependerá apenas da assistência de outras pessoas que passem pelo local, devido às limitações dos serviços médicos e de ambulância do país. As leis de trânsito são geralmente ignoradas e acidentes ocorrem com frequência. Semáforos existem apenas em algumas ruas principais da capital.

Pedestres       

A maioria das estradas do país não possuem calçadas, e pedestres devem andar nas ruas. Devido ao fato e, considerando que muitos condutores no Djibuti dirigem em alta velocidade, mesmo em estradas mal iluminadas durante a noite, o risco de atropelamentos é consideravelmente alto.

Infraestrutura turística

Orientações gerais    

Ao planejar suas viagens, cidadãos brasileiros devem estar cientes de orientações básicas, válidas para todo tipo de viagem ao exterior, independentemente do país escolhido como destino. Recomenda-se, assim, a leitura cuidadosa das informações disponíveis em Orientações gerais para quem vai viajar ao exterior.

Infraestrutura turística        

Sendo a infraestrutura turística e de comunicações, de um modo geral, precárias, desaconselha-se turismo por conta própria. Estrutura turística moderna existe em alguns lugares da capital, mas em outras áreas do país instalações turísticas e sistemas de telecomunicações podem ser altamente limitados.

Atrações turísticas   

A cidade do Djibuti, maior cidade do país, que serve de base para passeios aos principais destinos turísticos (praias, Lago Assal e Lago Abbe).

Câmbio e moeda      

A moeda oficial do país é o franco djibutiano, e todos os pagamentos devem ser feitos em espécie na moeda local. Um dólar norte-americano equivale a cerca de 177 franco djibutianos. É possível trocar dinheiro nas ruas, mas aconselha-se que cidadãos brasileiros usem sempre casas de câmbio de aparência confiável. Notas emitidas antes de 2003 podem não ser aceitas para troca.

Cartões de crédito e débito

Cartões de crédito são aceitos em poucos estabelecimentos. Cidadão brasileiro deve sempre ter consigo quantidade de dinheiro, em espécie, condizente com seu planejamento de gastos e também para situações de emergência.

Bancos          

São poucos os caixas eletrônicos internacionais disponíveis. É recomendável que o turista estrangeiro traga consigo a quantia em espécie necessária.

Clima

O clima do país é desértico e seco.  O período mais quente estende-se de maio a agosto.

Comunicação e idiomas      

Os idiomas oficiais do país são francês e árabe. Os idiomas somali e afar, por outro lado, são amplamente falados em algumas regiões. Cidadãos estrangeiros podem encontrar dificuldades para comunicar-se em inglês no país.  

Costumes locais e legislações específicas

Legislação local

Durante sua estadia em outro país, cidadãos brasileiros estão sujeitos às leis locais, ainda que elas sejam bem diferentes da legislação do Brasil. Viajantes que desobedeçam às leis locais podem ser multados, processados ou presos. Recomenda-se que, antes de viajar, cidadãos brasileiros estudem a legislação e os costumes do destino escolhido, contatando, se necessário, a Embaixada ou Repartição consular do Brasil no exterior, em caso de dúvidas sobre questões pontuais.        

Questões de gênero

Normas legais e/ou religiosas que regulam o direito das mulheres podem variar consideravelmente de país a país. Cidadãs brasileiras podem encontrar, em outros países, realidade completamente diferente daquela do Brasil. Recomenda-se que mulheres em viagens ao exterior leiam  detalhadamente as informações da página Mulheres em viagens ao exterior

Prisão de cidadão brasileiro

Em caso de prisões envolvendo cidadãos brasileiros, os detidos têm o direito de contatar agentes consulares do Brasil para pedir assistência. Nesses casos, nacionais devem sempre requisitar às autoridades policiais locais que comuniquem a situação à Embaixada ou Repartição consular brasileira o mais rápido possível. O Posto esclarecerá ao brasileiro detido quais são seus direitos no país e prestará apoio para que sua integridade física e psicológica seja respeitada. Para mais informações, deve-se acessar a página Detenção no exterior. Em casos de detenção por tráfico de drogas, recomenda-se, ainda, a leitura do guia Detenção por tráfico de drogas no exterior.

Identificação 

Pela lei local, todos os cidadãos estrangeiros no país devem portar documento de identificação. Assim, recomenda-se que cidadãos brasileiros portem, a todo momento,  cópia do passaporte brasileiro, deixando o original em local seguro, para evitar perdas ou furtos.  Autoridades policiais podem requisitar, a qualquer momento, prova de identificação. Nessas ocasiões, cidadãos que não tenham em mãos documento de identidade estão sujeitos a multas, possíveis interrogatórios e, em casos mais graves, até detenção.

Respeito às leis locais

Reforça-se ao turista brasileiro a importância de que as leis locais sejam estritamente seguidas durante a permanência no país. Desobediência aos valores islâmicos, incluindo os mais conservadores, e qualquer crítica pública ao Governo, à religião ou aos costumes podem gerar deportação e, mesmo, prisão.

Fotografias

Fotografias de prédios e construções públicas não são permitidas no Djibuti. Tais fotografias podem ser consideradas indício de comportamento suspeito, o que pode resultar em detenção por autoridades de segurança.

Ramadã        

Durante o mês santo do Ramadã, muçulmanos jejuam do nascer ao pôr do sol. Comer, beber, fumar, tocar música alta e dançar em locais públicos (fora dos horários apropriados) é punível por lei, inclusive para os não-muçulmanos. As datas exatas do Ramadã seguem um calendário lunar e mudam a cada ano. A fim de não ofender os costumes locais, é recomendável, em especial durante do Ramadã, vestir-se de maneira sóbria.

Tolerância religiosa

94% dos djibutianos são muçulmanos e 6%, cristãos. O proselitismo é proibido no país.

Tolerância LGBT    

Como na maioria dos países africanos, atos de homossexualidade são ilegais no Djibuti. Não há, no entanto, nenhum registro de ação do Governo local no sentido de punição de cidadãos LGBT, nem de crimes violentos ocorridos por discriminação da sociedade. Para mais informações, recomenda-se a leitura cuidadosa do aviso LGBT em viagens ao exterior.

Portadores de necessidades especiais ou com mobilidade reduzida

Não há lei que regule a acessibilidade de pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. Tal grupo de pessoas tem, no país, acesso à educação e à saúde pública, mas as condições de acessibilidade podem ser extremamente difíceis.  Para mais informações, recomenda-se a leitura da página Pessoas com deficiência em viagens ao exterior.

Entorpecentes          

As penas para a posse, o uso e o tráfico de drogas são severas no país, e condenados por um desses crimes podem ser sentenciados a muitos anos de prisão e multas de alto valor. Cidadãos estrangeiros acusados de tais crimes dificilmente conseguirão transferência, devendo permanecer nas prisões do Djibuti, de condições precárias, pela duração de toda a sentença.

Penalidades que destoam das leis brasileiras

A Constituição Federal brasileira de 1988 proíbe a pena de morte (em tempos de paz), prisão perpétua, banimento, trabalhos forçados e quaisquer outras penalidades consideradas cruéis. Nessa linha, o Brasil é membro do Protocolo da Convenção Americana de Direitos Humanos para a Abolição da Pena de Morte (ratificado em 13 de agosto de 1996).

No ordenamento jurídico interno de outros países, as penalidades previstas podem ser bem distintas daquelas permitidas no Brasil. Recorda-se  que cidadãos brasileiros em viagem ao exterior estarão sujeitos às leis do país em que se encontram, podendo ser condenados, inclusive, a penas proibidas no Brasil. 

Não existem, em Djibouti, penalidades que destoam do ordenamento jurídico brasileiro.

Informações adicionais

Recomenda-se leitura da seção Guia de países para verificar se há mais informações sobre o destino escolhido.

 

Para informações sobre as relações diplomáticas do Brasil com a Djibouti clique aqui.

Fim do conteúdo da página