Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Honduras

Alertas para este país

Sem alertas para este país.

Informações básicas

Capital Tegucigalpa
Língua castelhano
Moeda Lempira
Validade do passaporte Deve ter validade mínima de 6 meses
Página do passaporte em branco Uma página para carimbo de entrada
Visto de turista necessário Favor consultar a tabela disponível na seção Vistos.
Vacinações É exigido comprovante contra febre amarela
Restrições de moeda para entrar US$ 10.000,00
Restrições de moeda para sair Não há

Recomendações de viagem

A recomendação de viagem do Ministério das Relações Exteriores considera o contexto de infraestrutura, segurança e saúde, bem como a situação geral do país escolhido como destino, avaliando os riscos potenciais de uma viagem a cidadãos brasileiros.

 

 

Viajar com precauções normais de segurança

 

Viajar com grau moderado de cautela

X

Viajar com alto grau de cautela

 

Evitar viagens não-essenciais  

 

Não viajar

 

Cidadãos brasileiros devem viajar a Honduras com alto grau de cautela. Para maiores informações, recomenda-se a cuidadosa leitura dos tópicos desta página. 

Cidadãos brasileiros devem ter sempre as informações de contato da Embaixada do Brasil em Tegucigalpa, que, se necessário, poderá prestar assistência consular a nacionais em Honduras. 

A depender da natureza de sua solicitação, a melhor opção poderá ser entrar em contato com sua família, amigos, companhia aérea, agente de viagem, operador de turismo, empregador ou seguro de viagem em primeiro lugar. Os Postos com serviço consular estão a disposição para auxiliar em casos de maior complexidade. Acesse o Portal Consular para saber o que uma Repartição Consular pode ou não pode fazer por você.

Para assuntos graves e de natureza jurídica, recomenda-se entrar em contato, inicialmente, com as autoridades de polícia e/ou de saúde locais, a partir dos dados de contato informados nos tópicos "Segurança" e "Saúde" do Portal Consular. Caso necessário, a Rede Consular do Brasil poderá ser contatada.

Para solicitações fora do horário de expediente e casos de comprovada emergência, o plantão consular da Embaixada ou Consulado do Brasil poderá ser acionado. Contate a página Emergências do Portal Consular para maiores informações.

Rede Consular do Brasil

Recomenda-se que cidadãos brasileiros portem relação com os números de telefone da Embaixada e/ou do Consulado instalado na região em que pretende transitar ou permanecer. A assistência consular é um direito reconhecido por tratados internacionais, e o cidadão estrangeiro deve sempre exigir das autoridades locais a oportunidade de comunicar-se com Representação Diplomática de seu país. O Itamaraty recorda que a assistência consular prestada ao cidadão brasileiro é isenta de custos, embora não exista previsão legal para o custeio de despesas com, por exemplo, advogados e tratamento médico/hospitalar.

 

Embaixada do Brasil em Tegucigalpa

Endereço: Embajada Del Brasil Colonia Palmira Calle República Del Brasil, 2301, Apartado Postal 341, Tegucigalpa - Honduras

Telefone: (00XX504)2221-7506 /7507 /7508

Plantão Consular: (504) 99858883 (SOMENTE PARA EMERGÊNCIAS)

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Para saber o que uma Embaixada ou Consulado brasileiro pode e não pode fazer por você, clique aqui.

Em caso de morte de cidadão brasileiro no exterior, acidentes, inadmissões e demais emergências consulares, clique aqui.

Em caso de dúvidas, clique aqui.

Consulados Honorários do Brasil

Não há Consulado Honorário no país. 

Comunidade brasileira e principais destinos

Comunidade brasileira       

A comunidade brasileira em Honduras conta com aproximadamente 380 membros, entre cidadãos com dupla nacionalidade e seus descendentes, religiosos-missionários, jogadores de futebol e empresários. A comunidade é integrada, na sua maioria, por cônjuges de ex-estudantes-convênio que cursaram universidades brasileiras. Regularmente se reúnem na Associação de Brasileiros Residentes em Honduras (ABRAREH), tanto de Tegucigalpa como de San Pedro Sula, onde reside a maioria dos brasileiros.

Principais destinos   

Além da capital, Tegucigalpa, entre as cidades mais importantes estão: San Pedro Sula, ao norte (centro industrial), La Ceiba e Tela, no litoral caribenho, Progresso, na região norte, Danli, no centro-oeste, Comayagua, na região central, e Choluteca, ao sul. Como centros eminentemente turísticos, cabe mencionar as ruínas maias de Copán, as praias do litoral norte (Tela e La Ceiba) e das ilhas caribenhas (Roatán, Utila e Guanaja). Próximo da capital, pode-se visitar as cidades de Valle do Ángeles, Santa Lucía e Comayaqua e o litoral do Oceano Pacífico, a cerca de duas horas. 

Entrada

O conteúdo a seguir está sujeito a mudanças e pode não ter as informações completas que assegurem a entrada no país escolhido. Para mais informações, recomenda-se a leitura completa das páginas do Portal Consular, incluindo os alertas migratórios e a seção Vistos. Recomenda-se, ainda, que, antes de viajar, cidadãos brasileiros contatem uma Embaixada ou Consulado do país escolhido como destino para certificar-se dos requisitos de visto e entrada e permanência.

Inadmissões de cidadãos brasileiros

A prerrogativa de cada país de determinar quem pode ou não entrar em seu território é decisão soberana de cada Estado. O Governo do Brasil não poderá intervir a favor de cidadãos brasileiros não admitidos por não terem cumprido os requerimentos de entrada.

O Ministério das Relações Exteriores tem mantido contatos sistemáticos com autoridades estrangeiras, no sentido de sensibilizá-las sobre a necessidade de adoção de critérios claros na política de controle migratório, de maneira a serem evitados comportamentos que possam ser interpretados como discriminatórios ou que atentem contra a dignidade e moralidade dos indivíduos.

Recomenda-se a leitura da seção Inadmissões/deportações de cidadãos brasileiros para mais informações.

Febre amarela          

A febre amarela é considerada endêmica no Brasil. Por isso, alguns países podem exigir de cidadãos brasileiros comprovante de vacinação contra a doença. Mais informações sobre o assunto e outras vacinas eventualmente necessárias podem ser encontradas no tópico Saúde do viajante.

Visto  

Favor consultar a tabela disponível na seção Vistos.

Requisitos de entrada         

O passaporte deve ter vigência mínima de 6 meses, a partir da data de entrada e apresentação de comprovante de vacina contra febre amarela. É de suma importância certificar-se de que o passaporte, acompanhado da segunda via do formulário de entrada/saída do país, receba também o carimbo de entrada no país, que especificará a duração da estada permitida. Não há definição de montante mínimo diário de dinheiro necessário, porém o viajante deve estar pronto para comprovar que tem recursos suficientes para custear a sua estadia no país.

Vacinação     

Exige-se a apresentação de certificado internacional de vacina contra a febre amarela. No Brasil, o certificado é expedido pela ANVISA, dez dias após a aplicação da vacina e tem validade por dez anos.

Acordo CA-4                       

Guatemala, El Salvador, Honduras e Nicarágua são parte do Acordo para Controle de Fronteiras para os Países da América Central – o Acordo CA-4. De acordo com os termos do acordo, cidadãos dos quatro países podem viajar entre as fronteiras dos diferentes Estados sem necessidade de formalidades migratórias, como formulários e carimbos de entrada. Cidadãos brasileiros que viajem para um dos mencionados países estão aptos a visitar as outras três nações partes do Acordo.          

Viagens a trabalho  

Os profissionais como atletas, artistas, membros de confissões religiosas (padres, freiras, pastores) que viagem a Honduras a trabalho, ingressam inicialmente por 30 dias e, mediante solicitação ao INM, antes do vencimento do prazo, poderão receber prorrogação por outros 60 dias. Após esse período, deverão solicitar visto de permanência.

Restrições alfandegárias     

As restrições aduaneiras, fitossanitárias e de segurança obedecem os padrões internacionais: os viajantes não podem ingressar no país com mercadorias em quantidades que configurem a prática de comércio, com produtos de origem vegetal ou animal e, no caso de viagens nacionais ou internacionais por avião, a bagagem acompanhada deve estar de conformidade com as regras adotadas pela Organização Internacional da Aviação Civil.

Taxas aeroportuárias          

O imposto aeroportuário, que se pagava na saída do país, está agora embutido no valor da passagem aérea. 

Entrada de menores            

As autoridades migratórias locais reforçam estritamente o controle sobre menores viajando desacompanhados. Menores de 18 anos deverão, em viagens de entrada e saída do país, portar autorização de viagem, por escrito, do genitor ausente. Caso um dos genitores tenha falecido, é necessário portar cópia do certificado de óbito. Para mais informações, pode-se acessar a página Viagem de menores brasileiros ao exterior.

Entrada de animais domésticos 

Com o devido atestado veterinário de que goza de boa saúde e certificado de vacinação em dia, os animais domésticos são admitidos em Honduras. 

Permanência

Imigração irregular

Assistência consular é prestada a todos os cidadãos brasileiros no exterior, independentemente de sua situação migratória. No entanto, o Governo brasileiro recomenda fortemente que nacionais do Brasil no exterior busquem sempre estar em situação migratória regular. A legislação de determinados países pode punir a imigração irregular de maneiras severas, prevendo multas de valor expressivo e, em alguns casos, detenção. Recomenda-se, nesse sentido, a leitura detalhada das informações publicadas na seção Imigrar para outros países.

Estudantes brasileiros no exterior  

Cidadãos que pretendem viajar ao exterior para estudar devem atentar-se à necessidade de planejar cuidadosamente sua estadia, especialmente se for a primeira vez que realizam viagem internacional. Devem solicitar visto à Embaixada do país com a devida antecedência; pesquisar e conhecer a realidade do país e da cidade onde pretendem estudar, em particular sobre seu sistema de ensino; conhecer os costumes locais; ter domínio do  idioma do ensino e verificar antes com as autoridades competentes do Ministério da Educação do Brasil e das universidades federais sobre os procedimentos para efetuar a revalidação de seus estudos e diplomas no Brasil. Antes de viajar, recomenda-se anotar os números de contato da Embaixada ou Consulado do Brasil mais próximo, em caso de necessidade, e efetuar sua matrícula consular na Representação brasileira, para que possa entrar em contato em caso de emergências.  Se tiver de usar medicamentos para condição de saúde ou enfermidade, deve-se verificar se a receita médica será válida no país de estudo ou quais seriam as exigências para receber receita médica no local. Mais informações estão disponíveis na seção Estudar em outros países.

Trabalhar no exterior           

Modelos, jogadores/técnicos de futebol e outros profissionais brasileiros que pretendem trabalhar no exterior devem ler cuidadosamente a cartilha Orientações para o Trabalho no Exterior, elaborada para ajudar cidadãos brasileiros que pretendem trabalhar no exterior. Recomenda-se vivamente que a leitura seja feita antes da assinatura de qualquer contrato de trabalho com clube, empresa ou representação estrangeira.

Viagens de até 90 dias         

O período de permanência inicial é de 90 dias, sem visto e sem necessidade de registro.

Viagens entre 90 e 120 dias

O período inicial de entrada no país pode ser renovável por outros 30 dias mediante solicitação ao "Instituto Nacional de Migración - INM" (504-2234-1996 ou 2233-0773). Transcorrido esse período, o turista deve sair do país. Não poderão sair para país fronteiriço, uma vez que El Salvador, Guatemala e Nicarágua são estados parte do Acordo para Controle de Fronteiras para os países da América Central - o acordo CA-4.

Visto de trabalho     

Ao cabo de até 90 dias no país, cidadãos brasileiros em Honduras a trabalho deverão regularizar sua situação junto ao Serviço de Imigração. Para tal fim, requer-se a assistência de advogado local que apresentará o requerimento de mudança de status migratório, acompanhado de passaporte, certificado internacional de vacina contra a febre amarela, atestado de antecedentes criminais (legalizado na Embaixada/Consulado de Honduras no Brasil, ou em Honduras, após legalização na Embaixada do Brasil), entre outros documentos.

O visto é concedido por um prazo máximo de 5 anos e a taxa de processamento cobrada pelo INM equivale a USD 100,00 por ano.      

Penalidades por estadia irregular   

Estrangeiros que se encontrem em situação irregular, seja por motivo de exercício não autorizado de atividade remunerada, seja por ultrapassar o prazo de vigência do visto, serão multados e deportados.

Segurança

Crimes, com diferentes graus de violência, ocorrem em qualquer lugar do mundo. Durante viagens ao exterior, cidadãos brasileiros devem permanecer atentos e ter sempre cautela, independentemente do destino escolhido. A maior parte dos crimes não violentos, como furtos e roubos, pode ser evitada tomando-se precauções normais de segurança, com atenção redobrada a pertences pessoais e a movimentações estranhas em lugares públicos, por exemplo. Em caso de ocorrência de crimes com vítimas, cidadãos brasileiros devem contatar imediatamente as autoridades policiais locais e a  Embaixada ou Repartição consular do Brasil mais próxima. Para mais informações, pode-se acessar a informação Segurança do viajante.

Perda de documentos brasileiros    

No exterior, cidadãos brasileiros devem ter sempre o máximo de cuidado com seu passaporte brasileiro e seguir todas as orientações escritas nas páginas do documento de viagem. Durante a viagem, recomenda-se manter cópia autenticada de documento de identidade e de certidão de nascimento, além de cópia simples do passaporte em local seguro. A posse dessas cópias facilitará a emissão de novo passaporte, em caso de perda ou furto dos documentos originais. Cidadãos que estejam em retorno ao Brasil podem solicitar Autorização de Retorno ao Brasil (ARB), cuja emissão é mais rápida e mais barata que um novo passaporte, sob determinadas condições. Em caso de dúvidas, recomenda-se a leitura das informações da seção Perda de documentos brasileiros no exterior e, para saber sobre emissão de documentos brasileiros no exterior, pode-se consultar a página Emissão de documentos no exterior.

Vítimas de crimes     

Providências que o cidadão brasileiro deve tomar caso seja vítima de algum crime:

a) consultar um médico, se necessário;

b) dirigir-se imediatamente à autoridade policial mais próxima e registrar boletim de ocorrência, com as seguintes informações: data, local e hora do incidente, perdas materiais e lesões corporais da agressão ou crime (fornecendo todos os elementos úteis ao inquérito); descrição física do autor, tipo e cores de vestimenta, sinais particulares, modelo, cor e número de placa do automóvel, se for o caso;

c) informar Representação diplomática ou Repartição consular do Brasil sobre sua situação.

Segurança pública   

Segurança é o item mais problemático e ao mesmo tempo mais polêmico que envolve a sociedade hondurenha. Com 85,5 homicídios por 100 mil habitantes (2012), Honduras transformou-se num dos países mais violentos do mundo. Os incidentes, no entanto, estão concentrados em determinadas áreas.

Criminalidade          

O visitante deve ter um alto grau de precaução no que concerne a assaltos. O turista deve evitar levar consigo grande soma em dinheiro, objetos de valor e documentos em suas bolsas de mão. A sugestão é que, ao circular pelas cidades, leve apenas cópia de seu passaporte. É relativamente frequente o assalto à mão armada a pessoas que caminham pelas ruas, inclusive em áreas movimentadas, e assalto a passageiros em veículos parados em  semáforos. Diante de tais situações, recomenda-se que a vítima não reaja. Manter os vidros dos carros fechados e portas travadas é uma medida recomendável.

Para aqueles que querem ingressar pelas fronteiras terrestres, recomenda-se muito cuidado com a bagagem, pois é comum haver roubo de maletas e carteiras durante o tempo de identificação nos guichês de imigração.

Quem viajar dirigindo seu próprio carro, deve ter presente que há ocorrência de assaltos, muitas vezes com subtração do veículo.

Ao viajar por via aérea, deve-se evitar guardar objetos de valor em malas que serão despachadas nos aeroportos. É comum o furto de tais objetos das malas. Levá-los na bagagem de mão é a melhor opção.

Áreas restritas          

Os focos de violência em Honduras estão concentrados no litoral norte e áreas fronteiriças com a Guatemala, nos Departamentos (Estados) de Atlántida (129,4 homicídios por 100 mil habitantes em 2012), Cortés (128,9 homicídios), Copán (104,7 homicídios), Ocotepeque (99,8 homicídios) e Colón (90,3 homicídios). No mesmo ano de 2012, o Distrito Central, formado por Tegucigalpa e Comayaguela, apresentou índices de 88 homicídios para cada 100 mil habitantes. Em 2013, as cifras não mudaram. Atualmente, em virtude de intensa depuração policial, reestruturação dos operadores de justiça, criação de nova força policial-militar e campanha junto à população, houve redução dos índices de crime. No entanto, extrema cautela e vigilância são necessárias para viagens a essas localidades. Cabe destacar que San Pedro Sula, no Departamento de Cortés, é considerada, atualmente, a cidade mais violenta do mundo, com taxa de homicídios superior a 180 para cada mil habitantes.

Segurança privada  

A situação de insegurança fomentou a "indústria da insegurança", que emprega cerca de 70 mil homens na categoria "segurança privada armada", contra cerca de 15 mil policiais e militares em atividades de segurança pública.

Manifestações populares    

Protestos podem ocorrer no país com alguma frequência. Em certas ocasiões, manifestantes podem bloquear ou causar  interrupções no tráfego de veículos.  Ainda que os protestos sejam pacíficos, recomenda-se que cidadãos brasileiros evitem áreas com registro de manifestações.

Desastres naturais   

Honduras não está livre de terremotos e furacões, porém sua incidência tem sido bastante rara. Chuvas torrenciais causam anualmente estragos em regiões vulneráveis do país.

Furacões

Geralmente, a "temporada de furacões" inicia-se em junho e termina em meados de novembro. Mesmo não havendo garantias de que furacões, tornados e ciclones ocorram durante a determinada época, fortes tempestades podem atingir o país, o que pode ocasionar atrasos em voos, bloqueios em estradas e ameaças à segurança. Cidadãos brasileiros viajando para o país durante o período mencionado devem permanecer atentos ao boletim metereológico local. 

Vulcões

As autoridades costumam avisar com antecedência caso detectem atividade vulcânica com potencial de risco para a população. Deve-se seguir as recomendações em caso de alertas. Em caso de erupção, as autoridades também fornecem instruções. Havendo evacuação de alguma área, não se deve voltar ao local, mesmo depois de passada a erupção, até que haja autorização das autoridades locais para tanto. 

Pirataria

Ainda que não haja grande incidência de ataques no país, em 2012, houve registro de navio atacado por piratas durante navegação em águas territoriais hondurenhas. O Ministério das Relações Exteriores alerta sobre a ameaça de pirataria e aconselha cautela a cidadãos brasileiros que estejam navegando pela região. Nesses casos, deve-se permanecer alerta a possível aproximação de qualquer tipo de embarcação desconhecida. Sobre o assunto, pode-se contatar a Organização Marítima Internacional, por meio do endereço http://www.imo.org/OurWork/Security/PiracyArmedRobbery/Pages/Default.aspx. 

Tsunamis

Há riscos de tsunamis no país. Recomenda-se que cidadãos brasileiros permaneçam atentos aos comunicados emitidos pelas agências locais de meteorologia e sismologia quanto à incidência de desastres naturais. Em caso de ocorrência de tsunamis, cidadãos brasileiros devem seguir cuidadosamente as orientações de segurança das autoridades locais contatando, sempre que possível, alguma Embaixada ou Consulado do Brasil, que avaliará a possibilidade de evacuação. 

Turismo de aventura

É grande o número de turistas no país que desejam realizar turismo de aventura (montanhismo, trilhas) ou praticar esportes radicais. Turistas brasileiros devem contratar seguro-saúde que ofereça cobertura contra ferimentos decorrentes de acidentes. Mais informações podem ser obtidas no aviso Turismo de aventura.

Assédio sexual e crimes contra a mulher  

Desde 2010, mais de 10 turistas estrangeiras reportaram episódios de assédio sexual ou mesmo de estupros no país. Mulheres não devem andar sozinhas em Honduras, sobretudo durante a noite e/ou em áreas isoladas. Mais informações estão disponíveis no aviso Mulheres em viagens ao exterior.

Tráfico de pessoas  

A polícia brasileira, em cooperação com autoridades policiais de outros países e da INTERPOL, segue investigando casos de tráfico de mulheres envolvendo nacionais do Brasil. O Governo brasileiro preparou uma cartilha sobre o tema, para a difusão de informação sobre esse tipo de crime, com o intuito de prevenir potenciais vítimas. Mais informações podem ser encontradas no Guia de Atuação no Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas.

Caso seja vítima ou tenha alguma informação sobre eventual caso de tráfico internacional de pessoas envolvendo cidadão ou cidadã brasileira, recomenda-se fortemente que procure a Representação consular, para relatar o caso e receber orientações. Os dados serão tratados com a devida confidencialidade. Mais informações estão disponíveis em http://www.justica.gov.br/sua-protecao/trafico-de-pessoas

Contatos importantes

COPECO: 911

Corpo de Bombeiros: 911

Polícia Nacional: 911

Cruz Vermelha: 911

Trânsito: 911

Dados da Embaixada do Brasil em Tegucigalpa: 

Endereço: Calle República de Brasil, 2301 Colonia Palmira

Telefones gerais: (504) 2221-4432, 2221-7506, 2221-7507

Telefone do plantão consular: (504) 9985-8883

Telefone do plantão diplomático: (504) 9970-3833

E-mail geral: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. e

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

E-mail consular: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Saúde

A situação geral de saúde em outros países pode ser bem diferente daquela do Brasil. Cidadãos estrangeiros não têm acesso a assistência médica gratuita em grande número de países. Recomenda-se vivamente que viajantes brasileiros sempre contratem seguro internacional de saúde adequado, mesmo que tal documento não seja exigido pelas autoridades migratórias locais. O Ministério das Relações Exteriores não poderá se responsabilizar por despesas médicas de brasileiros no exterior.

Antes de viajar, nacionais brasileiros devem certificar-se de sua saúde física, tomando as vacinas indicadas para o destino escolhido. Vacinas contra difteria, tétano, hepatite B, sarampo, caxumba, rubéola e tuberculose são recomendadas para todo tipo de viagem. Em caso de dúvidas, o Ministério da Saúde poderá ser consultado.

Para obter informações sobre surtos de doenças infecciosas no exterior, é importante consultar o sítio da Organização Mundial da Saúde(OMS), que contém dados detalhados sobre a situação específica de saúde de cada país.

Ao retornar de países com ocorrência de endemias, quaisquer sintomas devem ser imediatamente comunicados às autoridades de saúde brasileiras.

Falecimento de cidadão brasileiro 

Na infeliz ocorrência de falecimento de cidadão brasileiro no exterior, Repartições consulares do Brasil permanecerão à disposição para prestar a assistência cabível aos familiares. Recomenda-se que a família do cidadão brasileiro falecido contate a Embaixada ou o Consulado da jurisdição para orientações, por meio dos telefones regulares ou, se for o caso, do celular de plantão. Cabe aos familiares do falecido custear as despesas de traslado dos restos mortais ao Brasil, se for o caso. Mais informações estão disponíveis na seção Emergências

Rede de saúde          

O atendimento é limitado e deficiente nos hospitais públicos. As clínicas particulares, em Tegucigalpa e San Pedro Sula, atendem bem em todas as especialidades mais procuradas. Instalações médicas fora dessas duas cidades podem não ser adequadas para tratar de condições médicas mais sérias. Cirurgias complexas podem ser realizadas no país, sobretudo na região das ilhas. Serviços de ambulância são limitados, mesmo em Tegucigalpa e San Pedro Sula.

Seguro-saúde           

Em caso de traumas, acidentes ou quaisquer outras graves situações de saúde, serviço de evacuação médica pode ser necessário. Nesse caso, recomenda-se a cidadãos brasileiros que contratem seguro de saúde internacional com esse tipo de cobertura. Recorda-se aos turistas que serviços de evacuação médica podem custar valores expressivos. Mais informações sobre o assunto podem ser encontradas no tópico Saúde do viajante.

Farmácias e medicamentos

Há ampla oferta de medicamentos nas farmácias espalhadas por todo o país, inclusive com plantões noturnos, em fins de semana ou feriados, com entrega em domicílio nas principais cidades.

Malária

O risco de contrair malária ou impaludismo pode ser alto em regiões florestais do país. As medidas de proteção básicas incluem a preferência por locais climatizados, protegidos com telas apropriadas; isolamento de compartimentos para evitar a circulação de mosquitos no interior das instalações; uso de repelentes específicos para a pele e o vestuário nos horários de maior risco, entre o pôr do sol e o amanhecer. Note-se que o mosquito pode também oferecer risco em período diurno, desde que tenha entrado durante a noite. A disciplina de proteção é de mais difícil manutenção no caso de crianças.

A decisão de tratamento preventivo com medicamentos disponíveis pode ser tomada com a assistência de médicos locais, em função do quadro clínico e preferências e indicações de cada indivíduo. É indispensável o recurso a médico no Brasil e no país de origem.

Vacinação     

Exige-se a apresentação de certificado internacional de vacina contra a febre amarela. No Brasil, o certificado é expedido pela ANVISA, dez dias após a aplicação da vacina e tem validade por dez anos. Além da vacina contra febre amarela, recomenda-se que cidadãos brasileiros vacinem-se, antes de viajar a Honduras, também contra rubéola, tétano, hepatite A e febre tifoide.

Endemias em geral  

Não há necessidade de precauções especiais, dada a ausência de endemias graves no país. Durante a estação chuvosa há ocorrência de dengue e malária. Já na estação seca, convém estar atento à maior probabilidade de doenças respiratórias, devido à alta poluição do ar nas maiores cidades de Honduras. 

AIDS

Recorda-se a cidadãos brasileiros a importância da adoção de medidas de prevenção a doenças sexualmente transmissíveis. Para mais informações, o Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde (http://www.aids.gov.br/) poderá ser  consultado.

Raiva             

Casos de raiva foram reportados em Honduras, sobretudo nas áreas rurais ou remotas, onde há mais exposições a animais como morcegos e outros mamíferos. Mesmo nas áreas urbanas, todavia, cães podem transmitir a doença e quaisquer mordidas ou arranhões devem ser imediatamente lavados com sabão e água. Atendimento médico deverá ser procurado com a máxima urgência. Recomenda-se que cidadãos brasileiros vacinem-se contra raiva antes de sua viagem.

Intoxicação alimentar

A probabilidade de intoxicação alimentar no país, devido à ausência de cuidados básicos de higiene no manuseio alimentos, é alta. Cidadãos brasileiros devem levar ao país antiácidos e remédios para diarreia e dores estomacais.

Contatos importantes

Corpo de Bombeiros: 198

Polícia Nacional: 199

Cruz Vermelha: 195

Trânsito: 2230-2412

Dados da Embaixada do Brasil em Tegucigalpa: 

Endereço: Calle República de Brasil, 2301 Colonia Palmira

Telefones gerais: (504) 2221-4432, 2221-7506, 2221-7507

Telefone do plantão consular: (504) 9985-8883

Telefone do plantão diplomático: (504) 9970-3833

E-mail geral: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. e

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

E-mail consular: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Transportes

Infraestrutura de transportes         

A infraestrutura de transportes rodoviário, aéreo, ferroviário e marítimo, bem como de transportes públicos, de táxis e de aluguel de veículos pode ser bem diferente no destino escolhido, quando comparada à infraestrutura do Brasil, especialmente em regiões inóspitas. Antes de viajar, recomenda-se leitura detalhada das informações sobre meios de transporte no país escolhido, procurando, se necessário, dados adicionais. Em caso de dúvidas, a Embaixada ou Representação consular do Brasil poderá ser contatada. Outras informações podem ser obtidas, ainda, na página Carteira de Habilitação do Portal Consular.

Transporte aéreo     

Há 4 aeroportos internacionais: Tegucigalpa, San Pedro Sula, La Ceiba e Roatán. Ao viajar por via aérea, deve-se evitar guardar objetos de valor em malas que serão despachadas nos aeroportos. É comum o furto de tais objetos das malas. Levá-los na bagagem de mão é a melhor opção.

A COPA ("Compañía Panameña de Aviación") mantém voos diários para a Cidade do Panamá, os quais permitem conexão diária para Brasília, São Paulo (Guarulhos) e para o Rio de Janeiro (Galeão), e várias vezes por semana para outros destinos: Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife. Para Manaus, é necessário pernoitar no Panamá, a não ser que o passageiro embarque na cidade de San Pedro Sula (250 Km ao norte de Tegucigalpa), de onde é possível conexão no mesmo dia. Pela American Airlines, Delta e Continental é necessário fazer conexão em Miami, Atlanta ou Houston, desde que o passageiro tenha visto válido para os Estados Unidos da América. Pela AVIANCA-TACA, há voos diários Tegucigalpa-San Salvador-Lima-Brasília. As frequências e percursos dos voos de todas as companhias aéreas mencionadas podem sofrer alterações.

Transporte público  

Há abundante oferta de transporte público por micro-ônibus ou vans. O custo da passagem varia de USD 0,20 a USD 1,10, dependendo do tipo. Recomenda-se a cidadãos brasileiros não utilizar transporte urbano ou interurbano de ônibus durante a estada em Honduras.  

Táxis

Há grande quantidade de táxis em toda a capital. A maioria da frota está bastante envelhecida. Muitos motoristas não conhecem todos os bairros da cidade. Poucas ruas ostentam placas com nomes e a maioria das casas e estabelecimentos comerciais não têm números. É necessário fornecer algum ponto de referência. Os rádio-táxis, agendados previamente por telefone, são mais seguros. Pequenas corridas no perímetro urbano, demarcado pelas áreas entre o centro da cidade e os quatro principais "bulevares" (Juan Pablo, Suyapa, Fuerzas Armadas e Morazán), custam entre L. 80,00 a L. 150,00. Uma corrida do aeroporto à cidade custa, em táxi seguro, L. 250,00. 

Transporte rodoviário        

O trânsito rodoviário de veículos segue as regras internacionais. Como no Brasil, a circulação dá-se pelo lado direito da via. O limite máximo de velocidade nas rodovias é de 80km, ou conforme indicado na sinalização.

A fiscalização é muito precária, pelo que ocorrem abusos da parte dos motoristas, em particular dos taxistas. A sinalização nas ruas urbanas e nas rodovias interestaduais deixa muito a desejar. As Forças Armadas e a Polícia Nacional ou de Trânsito realizam com certa frequência batidas nos principais eixos rodoviários do país.  

Nas viagens pelo país, a infraestrutura das estradas que ligam os maiores centros urbanos oferece o mínimo indispensável: há suficientes postos de combustível, dotados de loja de conveniência, borracharia, etc. Há, no entanto, alto risco de crimes contra turistas dirigindo no interior do país.

Aluguel de automóveis        

Há várias empresas de aluguel, que praticam preços semelhantes aos do mercado norte-americano, de USD 30.00 a USD 100.00 a diária, dependendo do tipo de veículo, com ou sem quilometragem ilimitada, variando a cobertura de seguro conforme acordo entre as partes. Também é possível negociar tarifas semanais ou mensais.

Carteira de Habilitação      

Por até três meses desde a data de entrada no país, a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) brasileira e a permissão internacional para dirigir é reconhecida. Além desse prazo, deve-se obter a habilitação local.

Contatos importantes           

Em caso de emergências no trânsito, autoridades de segurança podem ser contatadas pelo número 911.

Infraestrutura turística

Orientações gerais    

Ao planejar suas viagens, cidadãos brasileiros devem estar cientes de orientações básicas, válidas para todo tipo de viagem ao exterior, independentemente do país escolhido como destino. Recomenda-se, assim, a leitura cuidadosa das informações disponíveis em Orientações gerais para quem vai viajar ao exterior.

Viagens terrestres a Honduras

Para cidadãos brasileiros que querem ingressar pelas fronteiras terrestres, recomenda-se muito cuidado com a bagagem, pois é comum haver roubo de maletas e carteiras durante o tempo de identificação nos guichês de imigração. Para quem quer viajar dirigindo seu próprio carro, deve ter presente que há ocorrência de assaltos, muitas vezes com subtração do veículo.

Infraestrutura turística

A maior parte das instalações turísticas, incluindo hotéis e restaurantes, são de nível adequado nas cidades de Tegucigalpa, San Pedro Sula, Tela, La Ceiba, nas ilhas caribenhas e nas ruínas de Copán. O restante do país, no entanto, pode não ter serviços públicos adequados, nem ser suficientemente seguro para viagens de turistas.

Atrações turísticas   

Os principais atrativos turísticos do país são:

a) praias do litoral norte (Tela e La Ceiba) e das ilhas caribenhas (Roatán, Utila e Guanaja, que formam o Departamento de "Islas de la Bahía). Roatán está a 50km da costa e é acessível por ferry (parte de La Ceiba) ou por avião (parte de San Pedro Sula, La Ceiba e Tegucigalpa, além de cidades da América do Norte e da Europa). Juntamente com Trujillo e La Ceiba, Roatán constitui destino de grandes cruzeiros que cruzam o Caribe. A rede de resorts da ilha recebe ao longo do ano grandes grupos de turistas que chegam em voos procedentes de Itália, Espanha, Alemanha, Estados Unidos e Canadá. O Governo hondurenho adotou medidas especiais para garantir a segurança dos visitantes nos principais destinos turísticos.

b) Cidade de Ruínas de Copán: situada no ocidente do país, a 175km de San Pedro Sula e 318km de Tegucigalpa, próxima à fronteira com a Guatemala, Copán é acessível unicamente por rodovia. O sítio arqueológico da antiga civilização maia, declarado pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade, está a poucos minutos dessa pequena cidade colonial.

c) Próximas à capital, pode-se visitar a cidade de Valle de Ángeles (grande centro artesanal a cerca de meia hora de Tegucigalpa), a cidade de Comayagua (primeira capital do país, a 80 kms de Tegucigalpa), e o litoral do Oceano Pacífico, situado a cerca de duas horas da capital, que conta com um ecossistema interessante (os manguezais ou "manglares" do Golfo de Fonseca), mas carente de infraestrutura turística. Na cidade de Danli, a 245km a sudoeste da capital, é possível visitar fábricas de charutos. O turismo rural e ecológico ainda é muito incipiente.

Tegucigalpa e San Pedro Sula       

A capital do país, Tegucigalpa ("Municipio del Distrito Central" ou M.D.C.), está localizada na área montanhosa central do país, em altitudes que variam entre 935 e 1460 metros. A população da área metropolitana, que inclui a cidade gêmea de Comayaguela, está estimada em 1,2 milhão de habitantes.

A segunda maior cidade, San Pedro Sula (pop. área metropolitana - cerca de 1 milhão), centro industrial do país, está localizada nas proximidades do litoral caribenho, ao norte, a cerca de 50km de Puerto Cortés, o maior porto da América Central.

Clima

O clima de Honduras é tropical, mais úmido no litoral caribenho (ao norte) e sul (litoral do Pacífico) e menos úmido nas áreas centrais, orientais e ocidentais. Há duas estações bem definidas: a seca (novembro a março/abril) e a úmida (março/abril a novembro). Em Tegucigalpa, as temperaturas variam de 12 a 35 graus centígrados. A temperatura média do país situa-se em 26 graus centígrados.

Hospedagem

As praias caribenhas contam com dezenas de hotéis/resort do tipo "all included". Cópan conta com razoável infraestrutura de hotéis e restaurantes para atender seus visitantes. Reservas de hotéis e de passagens aéreas podem ser feitas por intermédio de diversos operadores de turismo ou diretamente junto aos prestadores desses serviços, com pagamento em cartão de crédito nacional ou internacional.

Opções de comércio

Há, nas maiores cidades de Honduras, um comércio bastante dinâmico. Além de numerosos shoppings, estão presentes no país conhecidas franquias norte-americanas e empreendimentos locais - todas exibem uma gama variada de artigos, desde brinquedos a roupas, calçados, eletrodomésticos, aparelhos eletrônicos, artigos para o lar e de lazer, geralmente importados dos Estados Unidos ou de países asiáticos.

Gastronomia

Grandes cidades possuem restaurantes internacionais, tanto de "fast-food" como de refeições completas. Típicos "fast-food" hondurenhos são as baleadas (tortilhas de trigo recheadas com pasta de feijão, queijo, ovo e  complementos) e as pupusas (tortilhas de milho recheadas). Os mercados e supermercados de Tegucigalpa (principais redes: La Colonia, Walmart e Pricesmart) são bem abastecidos de praticamente todos os gêneros alimentícios comumente consumidos pelos brasileiros.

Bancos          

A rede bancária oferece os serviços indispensáveis ao viajante. Não há banco brasileiro.

Comunicação e idiomas      

O idioma local do país é o espanhol. Há, ainda, seis grupos indígenas (lencas, pech, tawahkas, misquitos, tolupanes e chortis) e dois afrodescendentes (garífunas e negros de fala inglesa) que procuram recuperar seus idiomas nativos. O inglês é o idioma estrangeiro mais conhecido.  

Padrões de rede elétrica      

A voltagem do país é de 110V a 120V,  e a frequência é de 60Hz. Não são incomuns as interrupções no fornecimento, que todavia costumam ser breves (até 30 minutos), exceto na época de chuvas quando chegam, por vezes até 4 horas. Em casos de manutenção da rede, os jornais publicam os horários de interrupção nos diferentes bairros (colônias). Algumas casas possuem gerador.

Costumes locais e legislações específicas

Legislação local         

Durante sua estadia em outro país, cidadãos brasileiros estão sujeitos às leis locais, ainda que elas sejam bem diferentes da legislação do Brasil. Viajantes que desobedeçam às leis locais podem ser multados, processados ou presos. Recomenda-se que, antes de viajar, cidadãos brasileiros estudem a legislação e os costumes do destino escolhido, contatando, se necessário, a Embaixada ou Repartição consular do Brasil no exterior, em caso de dúvidas sobre questões pontuais. 

Questões de gênero   

Normas legais e/ou religiosas que regulam o direito das mulheres podem variar consideravelmente de país a país. Cidadãs brasileiras podem encontrar, em outros países, realidade completamente diferente daquela do Brasil. Recomenda-se que mulheres em viagens ao exterior leiam  detalhadamente as informações da página Mulheres em viagens ao exterior

Prisão de cidadão brasileiro             

Em caso de prisões envolvendo cidadãos brasileiros, os detidos têm o direito de contatar agentes consulares do Brasil para pedir assistência. Nesses casos, nacionais devem sempre requisitar às autoridades policiais locais que comuniquem a situação à Embaixada ou Repartição consular brasileira o mais rápido possível. O Posto esclarecerá ao brasileiro detido quais são seus direitos no país e prestará apoio para que sua integridade física e psicológica seja respeitada. Para mais informações, deve-se acessar a página Detenção no exterior. Em casos de detenção por tráfico de drogas, recomenda-se, ainda, a leitura do guia Detenção por tráfico de drogas no exterior.

Identificação 

Pela lei local, todos os cidadãos estrangeiros no país devem portar documento de identificação. Assim, recomenda-se que cidadãos brasileiros portem, a todo momento,  cópia do passaporte brasileiro, deixando o original em local seguro, para evitar perdas ou furtos.  Autoridades policiais podem requisitar, a qualquer momento, prova de identificação. Nessas ocasiões, cidadãos que não tenham em mãos documento de identidade estão sujeitos a multas, possíveis interrogatórios e, em casos mais graves, até detenção.

Sincretismo cultural            

A maior parte da população é mestiça de ameríndios com europeus (principalmente espanhóis). Entre os grupos indígenas, os lencas são os mais numerosos. Entre as oito etnias minoritárias, os garífunas se destacam pela organização comunitária e pela atuação política e social, especialmente no esporte preferido do país, o futebol.

Particularidades culturais  

Os brasileiros são tratados, de modo geral, com simpatia pelos hondurenhos. Foram registrados casos isolados de comportamento avesso aos brasileiros, durante o período de transição política, que se deu entre final de junho de 2009 a janeiro de 2010.

Minorias                   

A legislação nacional confere igualdade de direitos aos grupos minoritários (indígenas e afrodescendentes) e propõe medidas de proteção a seus direitos, entre elas, o estímulo à preservação dos idiomas nativos, à demarcação das terras ancestrais e ao desenvolvimento do artesanato e da culinária de cada grupo.

Tolerância LGBT    

Há relatos de assédio e discriminação ocorridos no país. Cidadãos LGBT devem evitar demonstrações homoafetivas em público. Para mais informações, recomenda-se a leitura cuidadosa do aviso LGBT em viagens ao exterior.

Tolerância religiosa

A religião predominante no país é o cristianismo, com maioria de católicos romanos e crescente número de fiéis das igrejas evangélicas (entre as principais, cabe mencionar a Igreja Universal do Reino de Deus, além das igrejas Anglicana, Batista, Mormon e Presbiteriana). Não há rivalidade notável entre as duas denominações cristãs e ambas estão bastante engajadas em serviços sociais e na assistência aos mais desvalidos

Portadores de necessidades especiais ou com mobilidade reduzida 

O Decreto 160-2005 regulamenta com riqueza de detalhes as obrigações das entidades da administração pública e das empresas privadas no tocante aos portadores de capacidades diferentes ou distintas. Estipula, por exemplo, a obrigatoriedade de contratar um número mínimo de pessoas deficientes e descreve as características mínimas do entorno físico (vias públicas, edifícios, estacionamentos, elevadores, transportes públicos, etc., para facilitar a mobilidade do deficiente). Prevê, também, descontos aplicáveis ao transporte terrestre, marítimo e aéreo, consultas médicas, restaurantes, hotéis, dentre outros serviços. O benefício dos descontos é estendido também aos cidadãos da terceira idade (acima de 60 anos). Graças a campanhas tanto do Governo como de ONGs, há uma crescente conscientização na sociedade sobre a atenção especial que se deve dedicar às pessoas com capacidades distintas. Para mais informações, recomenda-se a leitura da página Pessoas com deficiência em viagens ao exterior.

Vestuário      

Em geral, as pessoas usam vestuário leve e informal em locais públicos, tais como "Shopping Malls", cinemas, restaurantes e cafés. Nas épocas mais quentes, "shorts" e bermudas são muito usados. O terno (para os homens) e o vestido de cerimônia (em alguns casos, longo) para as mulheres são usados com maior frequência do que na maior parte do Brasil, inclusive em festas familiares. As festas de fim de ano, que costumam ser descontraídas no Brasil, são bem mais formais nos salões de festas e nos hotéis de Tegucigalpa, quando a maior parte das pessoas se veste com ternos ou vestidos de noite. Espetáculos de música popular nos salões dos hotéis também recebem parte do público com trajes formais, embora muitos se vistam de forma mais esportiva. Praticamente não se usa mais o "smoking".

Pena capital  

O ordenamento jurídico de Honduras não prevê a pena de morte, porém admite a prisão perpétua por certos crimes, especialmente os de homicídio de primeiro grau. É possível também a extradição de nacionais ou estrangeiros.  

Entorpecentes           

As penas de reclusão (acrescidas de multa) para posse, uso ou tráfico de drogas estão definidas no Decreto 126-89, conforme segue:

a) Posse de maconha ou droga equivalente: primeira vez: internação de 30 dias, reincidência - internação de 30 a 90 dias Estrangeiros: expulsão do país

b) Posse: 3 a 6 anos

c) Financiamento: 9 a 12 anos

d) Tráfico: 15 a 20 anos

Feriados nacionais

1º. de janeiro-Ano Novo

14 de abril-Dia das Américas

17 de abril-Quinta-Feira Santa

18 de abril-Sexta-Feira Santa

19 de abril-Sábado de Aleluia

20 de abril-Páscoa

1º de maio-Dia do Trabalho

15 de setembro-Dia da Independência

3 de outubro-Dia do Soldado

12 de outubro-Dia da Raça

21 de outubro-Dia das Forças Armadas

25 de dezembro-Natal

Para estimular o turismo interno, quando o feriado cai em dia de semana entre terça e sexta, costuma-se transferi-lo para a segunda-feira seguinte. A medida, geralmente, é anunciada com pequena antecipação, o que nem sempre permite um adequado planejamento.

Penalidades que destoam das leis brasileiras

A Constituição Federal brasileira de 1988 proíbe a pena de morte (em tempos de paz), prisão perpétua, banimento, trabalhos forçados e quaisquer outras penalidades consideradas cruéis. Nessa linha, o Brasil é membro do Protocolo da Convenção Americana de Direitos Humanos para a Abolição da Pena de Morte (ratificado em 13 de agosto de 1996).

No ordenamento jurídico interno de outros países, as penalidades previstas podem ser bem distintas daquelas permitidas no Brasil. Recorda-se  que cidadãos brasileiros em viagem ao exterior estarão sujeitos às leis do país em que se encontram, podendo ser condenados, inclusive, a penas proibidas no Brasil. 

O ordenamento jurídico do país não contempla penas (pena de morte, prisão perpétua) e castigos corporais.

Informações adicionais

IMPORTANTE: A relação de fontes para leitura adicional é meramente indicativa. O Itamaraty não se responsabiliza pelo conteúdo do material indicado.

 

Guias hondurenhos

Historia de Honduras - Marcel D'Ans

Historia de Honduras - Mario Arqueta Quiñónez

Aspectos Culturales de Honduras -Fausto Lara

Honduras, Cultura e Identidad - Mario Felipe Martínez Castillo

Evolución Histórica de Honduras - Longino Becerra

Honduras en Crisis -Armando Cerrato

Guias internacionais (Sobre investimentos e exportações)           

Informações gerais    
www.hondurasinfo.hn

Honduras.Travel      
www.letsgohonduras.com

Honduras Tips           
www.hondurastips.honduras.com

 

Recomenda-se leitura da seção Guia de países para verificar se há mais informações sobre o destino escolhido.

 

Para informações sobre as relações diplomáticas do Brasil com Honduras clique aqui.

Fim do conteúdo da página